Ethanol Summit 2009

Segunda-feira, 10 de Dezembro de 2018

> English

Summit-na-Mídia

Respeito merecido
Correio Braziliense - Brasília - DF
11/06/2009

Até agora muito se falou em alternativas elétricas para os automóveis. Porém, no momento, há mais gestos simbólicos do que progressos. A Petrobras, por exemplo, acaba de inaugurar no Rio de Janeiro o primeiro eletroposto público no país a oferecer recarga de veículos elétricos a partir de energia solar. A empresa espera atender uma demanda crescente a partir de uma base ainda quase inexistente. Há iniciativas no exterior, principalmente da Renault, para projetos específicos dentro de três anos em Israel, Dinamarca e Portugal, territórios sem exigência de grandes deslocamentos.

A Toyota também acena para carros elétricos em 2012, mas adianta que ainda faltam avanços às promissoras baterias de íon de lítio. A marca japonesa, primeira a apostar com firmeza nos automóveis híbridos a combustão-eletricidade, acha interessante a troca de baterias em postos em vez de recarga, desde que se alcance uma padronização ainda bem embrionária. Em declarações ao site inglês Just-auto, Masatami Takimoto, vicepresidente de pesquisas e desenvolvimento, ressaltou que cada país tem uma situação energética e se deve apostar "no carro certo, no lugar certo e na hora certa".

Nesse cenário, entendese o sucesso da II Ethanol Summit (Cúpula do Etanol), promovida pela União da Indústria da Cana-deAçúcar (Única) que representa usinas responsáveis por 60% da produção brasileira do combustível renovável. O evento, realizado semana passada, em São Paulo, demonstrou o interesse internacional pelo tema e em quanto o Brasil está avançado no chamado etanol de primeira geração.

Mesmo sem modificações genéticas nas mudas de cana (ainda sob restrições infundadas), a produtividade não parou de crescer-em média, 4% ao ano desde 1975, quando se lançou o Proálcool. E ainda há melhorias em vista, sem aumento da área plantada.

Para Marcos Jank, presidente da Única, "o etanol de segunda geração, a partir de celulose da própria cana, tem potencial de produzir perto do dobro na mesma área. A quase total mecanização da colheita chegará no momento certo para aproveitamento da palha, hoje queimada. Empresas no exterior trabalham também na utilização de resíduos agrícolas, orgânicos e industriais para obter etanol". Ele destaca ainda a potencialidade crescente de geração de bioeletricidade, equivalente a duas usinas hidroelétricas do porte de Itaipu.

O ponto alto dessa cúpula foi o etanol de terceira geração. Já existem ações em curso para produção de plásticos, porém duas empresas demonstraram o potencial de obtenção de diesel, gasolina e querosene de aviação originados de açúcares, a partir dos quais a cana é imbatível. Criam-se, assim, novos mercados de biocombustíveis como alternativa aos de origem fóssil (petróleo e gás natural), contornando barreiras de cunho político impostas por outros países, às vezes por pura ignorância da realidade.

Ficou claro que ao Brasil sobram possibilidades de atender suas necessidades energéticas limpas e exportar tecnologia, equipamentos e o próprio combustível. Veículos híbridos e elétricos, pelo menos por aqui, dificilmente vão superar o nível de mera curiosidade, apesar do respeito que merecem.


voltar

Arquivo


11/06/2009 Respeito merecido
02/06/2009 Exportação será foco da produção de etanol da Petrobras Biocombustíveis
02/06/2009 Em 3 anos, Petrobras produzirá etanol celulósico
02/06/2009 Alternativas renováveis ao etanol ainda esbarram em custos
02/06/2009 UE discute certificação do etanol em março de 2010
   Realização:

Copyright 2008 - Ethanol summit - todos os direitos reservados. Resolução mínima recomendada 1024x768 pixels.

Política de Privacidade - Saiba como fazer sua inscrição

  • Patrocínio
  • Plenária Especial
  • Transportadoras Oficiais
  • Apoio
  • Parceria
  • Realização